A vida de Pedro, Licenciado em Informática, Capricórnio, que decidiu embarcar na aventura de emigrar para a Suécia.

contacto

jogodasueca@gmail.com

resultados

Março 2014

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

termostato

Gotemburgo, Suécia
Ver previsões para Gotemburgo

Lisboa, Portugal
Ver previsões para Lisboa

Corunha, Espanha
Ver previsões para a Corunha
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008

O Ram e as saudações

O Ram. O meu companheiro de casa indiano quando vivi na Suécia. Tive de partilhar com ele a minha frustração:

- Bolas Ram... A Suécia tem muita coisa boa, mas este negócio de cumprimentar as senhoras com um aperto de mão não tem jeito nenhum.
- Mas como é que vocês cumprimentam as mulheres em Portugal?
- Damos dois beijos. Na Índia não?
- Cumprimentar as mulheres com dois beijos? Nós na Índia respeitamos muito as mulheres! Nós na Índia nem lhes tocamos!
- respondeu-me indignado
- Tudo bem... Mas se forem pessoas da família é diferente não? - perguntei para desanuviar
- Depende da familiar que é. Aí já pode ser normal cumprimentar... mas também depende da idade. Por exemplo se forem pessoas idosas respeitamos muito e nem lhes tocamos.
- Nunca tocaste num idoso para o cumprimentar
?
- Comigo e com as gerações mais novas já começa a ser diferente.
Já apertamos a mão aos idosos e tudo. Agora somos muito open-minded.

jogado por jogo da sueca às 05:18
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (5) | favorito
|
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

O Ram e a noiva

O Ram. O indiano com que eu partilhei a casa na Suécia. Ainda se lembram?

 

Às tantas, em mais uma conversa sobre o seu casamento...

 

- Então Ram, a tua família já te encontrou noiva na Índia?

- Ainda não. Mas também não estou muito preocupado.

- Ahhhh... estou a ver que finalmente te convenci que a vida de solteiro é a melhor

- Achas Pedro??! Não estou preocupado porque vai ser fácil encontrar uma boa noiva. Quando um indiano vive no estrangeiro tem muito mais pretendentes.

- Pois... Mas se estás no estrangeiro nem as podes conhecer...

- Não há problema. A minha família vai-me escolher uma boa mulher.

- Então oh Ram... e se eles escolhem uma mulher que eles gostam e tu não?

- Mas o mais importante é que a minha família goste! Para que é que eu quero uma mulher que eu goste e eles não?!

jogado por jogo da sueca às 06:14
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (20) | favorito
|
Sábado, 2 de Agosto de 2008

Reposição (nº 1)

Morar com um Indiano é...

... aquecer alegremente o leite no micro-ondas e no fim de contas vir com sabor a caril

 

(Originalmente publicado a 16 de Fevereiro de 2007)

jogado por jogo da sueca às 23:20
link do post | pôr carta na mesa | favorito
|
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

O Ram e o álcool

Por altura do Natal é típico vender-se na Suécia uma bebida que se serve quente, feita à base de vinho misturado com várias especiarias. É o chamado glögg.


O Ram, o meu amigo indiano que por esta altura já devem conhecer, sempre se revelou contra o álcool. Quer pelas suas crenças religiosas, quer pelo sabor, que ele diz não conseguir gostar. No entanto todos os seus princípios foram revistos desde que provou glögg...


- Pedro, finalmente encontrei uma bebida alcoólica que gosto!
- Mas tu não gostas do sabor do álcool!

- É que esta bebida é diferente. É doce e tem muitas especiarias indianas.
- Ram mas se tu és contra o álcool porque é que insistes em andar a tentar gostar?
- Nem me digas nada que já chegou ter de ouvir a minha irmã ao telefone a perguntar se eu queria desgraçar a vida.
- Mas tens bebido assim tanto glögg?
- Tenho andado a beber antes de ir para a cama. E olha que aquilo funciona, adormeço muito mais relaxado e muito mais depressa. - confessa-me orgulhoso por estar a começar a adoptar costumes ocidentais.
- Estou a ver que andas a encharcar-te bem!
- Pois! Bebo sempre um copo destes antes de ir dormir – aponta para um copo minúsculo, pouco maior que um shot.
- Gaita... mas então quanto álcool é que o glögg tem?
- Pelo que andei a ler 2,2%.


FELIZ ANO NOVO! E para o ano que vem sejam responsáveis. Bebam glögg.
jogado por jogo da sueca às 07:06
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (8) | favorito
|
Domingo, 9 de Dezembro de 2007

O Ram e o comboio

Um dia destes o Ram, o meu colega de casa Indiano, chega ao pé de mim completamente eufórico:

- Pedro tu não vais acreditar! Hoje o comboio ia tão cheio que não parou numa das estações porque não dava para entrar mais ninguém!
- Ena, isso é chato. Então e as pessoas que queriam sair nessa estação?
- Tiveram de sair na estação seguinte e apanhar um comboio para trás! - irradia ele de alegria
- Mas Ram, porque é que estás tão contente por isso?
- É que parecia mesmo que estava na Índia!
jogado por jogo da sueca às 07:15
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (4) | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

O Ram e o telemóvel

O Ram, o meu colega de casa Indiano, tem um telemóvel novo. É um telemóvel que toca mp3 em alta-voz. Noto que esse facto o tornou numa pessoa mais feliz. Agora ele ouve música indiana 24/7. A qualquer hora, em qualquer sítio da casa, ali está o aparelho sempre a bombar. Ao início foi giro. Partilhávamos os dois o grande som indiano. Quando nos cruzávamos pela casa, lá improvisávamos umas danças malucas e brilhávamos (ele claramente tinha a inspiração das danças tribais, e eu uma mistura entre rancho folclórico e dançarino de alguma discoteca da beira interior). Depois, passados alguns dias de música de telemóvel e de danças eufóricas, reparei que era sempre a mesma música que estava a passar. Ali, em loop infinito. Até à exaustão. E comecei a simpatizar menos com aquele telemóvel.


Um dia destes cheguei a casa depois de um dia de trabalho. Lá estava o Ram a cozinhar e a ouvir a música de sempre, que tocava no altifalante do telemovel:


-Então Ram, como é que correu o dia?
- Muito bem Pedro! - sorriu ele dando um salto e poisando no chão com a perna direita flectida para a frente, e a esquerda completamente em riste para trás, enquanto me apontava uma colher de pau que ia movendo em espiral ao ritmo da música. No fundo parecia um espadachim, versão dona de casa. - E tu como é que estás???


O dia tinha-me corrido mal, e a música do telemóvel não estava a ajudar. Mas como é que eu podia ter coragem para estragar a boa disposição alheia?
- Também tive um dia magnífico Ram! - grito energicamente começando de seguida a emitir sons de perú e a dar pulinhos em torno dele enquanto fingia bater as asas com os braços.
- Ena Pedro! Esta música também te deixa bem disposto, não é?
- É... é... - suspiro eu.
- Mas sabes esta música pertence a um filme indiano! E melhor do que a música é mesmo o filme!


Alto lá! Pára tudo! Mas esta música pertence a um filme?


- Então conta lá mais sobre o filme Ram! - pedi eu já ansioso

- O rapaz que canta esta música é o artista principal do filme. Ele sai com os amigos e perde a mota. Quando chega a casa o pai está furioso e não o deixa entrar enquanto não a recuperar.

- Ah e então ele foi ver se a sacana da mota tinha caido do bolso quando vinha a caminho de casa?
- Não Pedro, houve alguém que roubou a mota. E então ele vai à procura da mota. Só que entretanto faz-se noite e ele tem de ir dormir para o templo. E lá cruza-se com um pedinte que lhe diz “Se vires uma mulher e sentires um fogo no teu corpo até amanhã, então isso é o amor verdadeiro”. Depois quando acorda na manhã seguinte vê uma mulher e sente o fogo em si e sabe que é amor! É incrível não é?
- Ram ele descobriu a mulher e o amor e o catano. Mas se não descobriu a mota, de que é que isso lhe serve?
- Sim, mas depois enquanto tudo isto se passa chega uma pessoa ao templo que queria abençoar uma mota, e ele deu-se conta que era nada mais nada menos do que a mota que lhe tinham roubado!


Para mim a moral da história do filme é relativamente simples. Se vos roubarem a mota, e o vosso pai não vos deixar entrar em casa vão dormir para o templo. Arranjam uma namorada nova e ainda recuperam a mota.


A dúvida depois é com qual é que hão-de ir dar a voltinha.


Fica o videoclip da canção!

 

 

jogado por jogo da sueca às 07:33
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (12) | favorito
|
Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

Confirmo que os indianos são púdicos porque...

... há tempos o nosso senhorio pretendia alugar um quarto a uma rapariga. Ao saber disto o Ram, Indiano, vira-se para mim e comenta:

Bom Pedro, se vier cá para casa uma rapariga não posso dizer nada à minha irmã. É que senão ela manda-me logo apanhar um vôo de volta para a Índia.
jogado por jogo da sueca às 07:44
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (2) | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

Sei que é típico usar bigode na Índia quando...

... em conversa com o Ram, meu amigo Indiano, pergunto:
- Então ó Ram, mas estavas tão bem sem bigode porque é que o voltaste deixar a crescer?
- É que mostrei à minha irmã na webcam e ela começou aos berros zangada e a exigir que o deixasse crescer imediatamente.
jogado por jogo da sueca às 16:38
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (4) | favorito
|
Sábado, 20 de Outubro de 2007

Sei que os indianos não usam papel higiénico quando...

... durante uma reunião em que distribuíamos as tarefas que cada um ia desempenhar em casa alguém diz ao nosso colega de casa indiano, o Ram:
- Ram, ficas responsável por comprar o papel higiénico.

E o Ram responde indignado:
- O quê?! Comprar papel higiénico? Mas é que nem pensar! Podem-me pôr a fazer qualquer outra tarefa mas comprar papel higiénico nunca!!!
jogado por jogo da sueca às 10:41
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (2) | favorito
|
Sábado, 13 de Outubro de 2007

Morar com um Indiano é...

Ilustrado por / Illustrated by: Richard Câmara


... aquecer alegremente o leite no micro-ondas e no fim de contas vir com sabor a caril

 

Living with an indian guy is...

… warm up the milk on the micro-wave oven and, after all, get it tasting to curry powder.


Vivir con un indio es...
... calentar alegremente la leche en el micro-ondas, y al final saber a caril.

Att bo med en indisk är...
... att glatt värma upp en kopp mjölk i mikron och att få den tillbaka med currysmak.
jogado por jogo da sueca às 08:37
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (5) | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Sei que a Índia ainda é um país de tradições quando...

Suecas virgens?
Ilustrado por / Illustrated by: Richard Câmara

... o meu colega de casa Indiano, o Ram, me confessa revoltado:
Pedro, não te cases com uma sueca. Estive a falar com o nosso senhorio e ele disse-me que é impossível encontrar uma sueca virgem para casar! Achas isto normal?!

I know India is still a country of traditions when...
… my Indian flatmate, Ram, tells me in anger:
Pedro, don’t marry a swedish girl. I was speaking with our landlord and he told me it is impossible to find a virgin swede to marry with! Can you believe this?!

Sé que la Índia es todavia un país de tradiciones cuando...
... mi compañero de piso Indio, Ram, me confiesa alterado:
Pedro, no te cases con una sueca. Estuve hablando con el casero de nuestro piso y me dijo que es imposible encontrar a una sueca virgen para casar! Tu te crees?!

Jag vet att Indien är fortfarande ett land med mycket traditioner när...
... min indiska granne, Ram, berättar upprörd:
Pedro, du får inte gifta dig med en svenska. Jag har pratat med vår hyresvärd och han har sagt att det är omöjligt att hitta en oskuld svenska att gifta sig med! Tycker du att detta är normalt?!
jogado por jogo da sueca às 08:28
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (8) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

Sei que os Indianos são púdicos quando...

Indiano púdico
Ilustrado por / Illustrated by: Richard Câmara

... me recordo dos diálogos metafóricos que o Raj, meu ex-colega de casa Indiano, costumava ter. Ele considerava-se o mais sábio da casa no que toca a assuntos do "coração" e saía-se com algumas pérolas dignas de registo.


Enquanto bebíamos chá:
- As Suecas, quando bebem, ficam transformadas. Por isso tenham cuidado.
- Cuidado?! - pergunta o Ram
- Sim, depois de contraírem as doenças, já não têm remédio. Não andem a espalhar as vossas sementes por todo o lado.

Depois de eu sair uma noite em que voltei tarde:
- Então Pedro, porque é que voltaste tão tarde? Arranjaste alguma Sueca?
- Raj, eu sou um cavalheiro, não comento isso.
Passada uma semana repeti a noitada longa:
- Então Pedro andaste a ser cavalheiro outra vez?

Na cozinha, enquanto o Ram cozinhava:
- Ram, não metas tanto alho na comida.
- Então porquê??
- Porque faz a ferramenta brilhar.


---


I know that Indian people are prudish when…

… I remember the metaphoric dialogs that Raj, my Indian ex-flatmate, used to have. He considered himself the most wise in subjects concerning “love”, and many times he came up with some interesting statements:


While we were drinking tea:
- When swedish girls get drunk, they get transformed! So be careful guys!
- Careful?! – Ram asks
- Yes. After you get the diseases that’s it. You’re done! Don’t spread your seeds everywhere.

After a night i went out and i came back late:
- So Pedro, why did you come back so late? Did you get some swedish girl?
- Raj, I’m a gentleman, I don’t speak about that.
One week later I came late again:
- So Pedro, were you being a gentleman again?

In the kitchen, while Ram was cooking:
- Ram, don’t put so much garlic on the food.
- Why not??
- Because it makes your tool shine.
jogado por jogo da sueca às 14:26
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (8) | favorito
|
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

A noite de núpcias na Índia

Há tempos o Ram, Indiano, confessou-me que a sua família estava à procura de uma noiva para quando ele voltasse à Índia. Fiquei espantado, pois claro, e tentei saber mais sobre o assunto:

- Então Ram, já te arranjaram noiva ou quê?
- A minha família está à procura. A minha irmã já me disse que quando eu chegar à Índia vai estar tudo preparado e vou-me logo casar.
- Ena, em pleno aeroporto? - perguntei eu no gozo.
- Não Pedro, primeiro tenho de ir a casa tomar um banho e descansar. É um vôo muito longo. - respondeu ele a sério.
- Então e não a vais conhecer antes do casamento?
- Não, só no casamento, e depois na noite de núpcias - confessa-me com um ar maroto
- E o que é que vais fazer na noite de núpcias? - questiono no mesmo tom
- Então... Vou conversar com ela para a conhecer melhor. Saber o que é que gosta de fazer, que música gosta de ouvir, o que é que gosta de comer...
jogado por jogo da sueca às 22:27
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (6) | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

Sei que os Indianos são púdicos quando...

... me recordo dos diálogos metafóricos que o Raj, meu ex-colega de casa Indiano, costumava ter. Ele considerava-se o mais sábio da casa no que toca a assuntos do "coração" e saía-se com algumas pérolas dignas de registo.

Enquanto bebíamos chá:
- As Suecas, quando bebem, ficam transformadas. Por isso tenham cuidado.
- Cuidado?! - pergunta o Ram
- Sim, depois de contraírem as doenças, já não têm remédio. Não andem a espalhar as vossas sementes por todo o lado.

Depois de eu sair uma noite em que voltei tarde:
- Então Pedro, porque é que voltaste tão tarde? Arranjaste alguma Sueca?
- Raj, eu sou um cavalheiro, não comento isso.
Passada uma semana repeti a noitada longa:
- Então Pedro andaste a ser cavalheiro outra vez?

Na cozinha, enquanto o Ram cozinhava:
- Ram, não metas tanto alho na comida.
- Então porquê??
- Porque faz a ferramenta brilhar.
jogado por jogo da sueca às 10:13
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (18) | favorito
|
Terça-feira, 17 de Julho de 2007

O sonho Indiano

Tenho tido longas discussões com o Ram, o meu companheiro de casa Indiano. Ele argumenta continuamente que na Suécia as pessoas não ligam umas às outras e são muito materialistas. Na Índia não é assim.

Um dia destes ao dialogar com o Ram sobre motas ele ía-me dizendo:
- Epá Pedro, tenho saudades da minha mota na Índia!
- Então porquê? Era assim tão fixe transportar galinhas na bagageira?
- Não não. Na verdade na Índia tens de ter é cuidado com os animais ou pessoas que se cruzam na estrada inesperadamente. As estradas na Índia são muito perigosas.
- E tu conduzias depressa?
- Sim, quando vim para a Suécia andava a conduzir que nem um maluco. - diz ele num tom auto-repreensivo
- Mas a Polícia não controla?!
- Controla! -
exclama entre gargalhadas - mas basta a gente dar uns trocos por baixo da mesa e eles deixam passar!
- Então mas tu andas sempre a dizer que na Índia as pessoas não são materialistas e que existe respeito pelos outros.

(longa pausa de silêncio)

- Bom Pedro... Tenho de começar a ter mais cuidado quando falar contigo sobre a Índia.

jogado por jogo da sueca às 15:06
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (4) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Julho de 2007

Sei que os Indianos são mesmo diferentes quando...

... o Ram, Indiano, me conta que a sua família está à procura de uma noiva para ele, na Índia. Espantado, pergunto:
- Mas tu casas com ela e nem a conheces?
- Não Pedro, a minha família vê se é uma boa mulher para mim, e manda uma fotografia para eu aprovar.
- Mas se nem conheces a noiva, não achas arriscado?
- Isso não há problema. Antes de me enviarem a foto certificam-se que ela tem um signo compatível com o meu.
jogado por jogo da sueca às 19:53
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (26) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Julho de 2007

Para os que se queixam que devia apimentar o blog...

... tenho finalmente um post que vos vai fazer as delícias.

É fatal. Estando eu na Suécia têm sido muitas as críticas por parte do público masculino. Conversas do estilo "Ah e tal Pedro, mas tu escreves e escreves no blog e não dizes nada do que nos interessa ouvir. Vê lá se apimentas o blog pá!!!" são mais que muitas.

Como eu sou gajo para ceder facilmente a pressões, venho tornar o vosso dia mais picante. Apresento-vos... uma receita de frango Indiana! Cortesia do Raj, meu companheiro de casa Indiano. Ora cá vai:

 

Ingredientes:

  • óleo
  • 2 Cebolas
  • 2 dentes de alho grandes
  • gengibre
  • sal q.b.
  • 1 colher de sobremesa de chili em pó (a quantidade pode variar. Aqueles que se queixaram mesmo muitas vezes, devem colocar mais chili de forma a obter um frango mais picante)
  • 2 ou 3 colheres de sobremesa de garam masala
  • 1 frango pequeno cortado em peças pequenas

 

Preparação:

  1. Ralar o gengibre e o alho obtendo-se uma pasta
  2. Cortar a cebola muito bem picada
  3. Colocar óleo de girassol (não usar azeite!!!) e quando este estiver quente, juntar as cebolas picadas.
  4. Quando as cebolas já estiverem cozinhadas, juntar a pasta de gengibre e alho. Mexer continuamente porque esta pasta tem tendência para pegar ao tacho.
  5. Juntar o frango ao refugado, e temperar com o sal, chili e garam masala.
  6. Deixar a refugar em lume brando, durante cerca de 40 minutos.
  7. Servir de preferência com arroz branco basmati.

E umas fotos...

 

Alguns dos ingredientes. O frango, as cebolas picadas e a pasta de gengibre e alho.

 

O ingrediente obrigatório: garam masala. É uma mistura de especiarias tipicamente utilizada na cozinha Indiana. Nós tipicamente em vez disto utilizamos caril em pó. Mas é desaconselhado uma vez que o resultado é completamente diferente...

 

E aqui está o resultado final. Bem apetitoso e picante como se pedia. Mas se quiserem um prato mesmo Indiano utilizem arroz branco. Basmati, claro.

 

E agora digam lá. Quem é amigo quem é?

Aqui o raça do Pedro faz-vos as vontadinhas todas.

 

jogado por jogo da sueca às 14:33
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (4) | favorito
|
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

Sei que na Índia qualquer namoro dá em casamento quando...

... uma amiga Sueca prepara o presente para o namorado de forma a celebrar os 6 meses da sua relação. O Ram, meu colega de casa Indiano, fica apreensivo com a situação e confessa-me:
Pedro, aqui os namoros são tão curtos que têm de festejar logo aos 6 meses.
jogado por jogo da sueca às 19:33
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (5) | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Junho de 2007

Sei que os Indianos são crentes quando...

... vêm duas Testemunhas de Jeová bater à porta e quem as atende é o Ram, Indiano. Passa 5 minutos com elas e no final pergunto-lhe:
- Então, argumentaste que estás satisfeito com a tua religião e não precisas de outra?
- Não Pedro. Eu sou Hindu mas também acredito em Jesus Cristo. Disse-lhes isto e elas foram-se embora.
jogado por jogo da sueca às 07:13
link do post | pôr carta na mesa | favorito
|
Domingo, 3 de Junho de 2007

Sei que a Índia ainda é um país de tradições quando...

... o meu colega de casa Indiano, o Ram, me confessa revoltado:
Pedro, não te cases com uma Sueca. Estive a falar com o nosso senhorio e ele disse-me que é impossível encontrar uma Sueca virgem para casar! Achas isto normal?
jogado por jogo da sueca às 11:29
link do post | pôr carta na mesa | ver cartadas (1) | favorito
|

mais sobre mim

pesquisa

Google

parceiros de jogo

China Ociosidade

China Ruinix em Shangai

Espanha Deu canyes

Inglaterra Dama do Ocidente

Inglaterra Tuga em Londres

Pelo mundo allAround

Pelo mundo Até onde vais com 1000 euros

Pelo mundo Mind this gap

Pelo mundo Tempo de Viajar

Polónia Site do Tiago

Rússia Da Rússia

Suécia Borboleta Pequenina

tags

todas as tags

subscrever feeds