18 comentários:
De Oliveira a 14 de Julho de 2008 às 11:00
Estive a viver dois meses na Suécia (Ronneby, no sul) também numa casa alugada numa zona de campo mas com o Báltico mesmo ali ao lado.
Concordo que os suecos são forretas no sentido de que são racionais e pragmáticos e não gastam à toa. Contudo, um dia, precisei de telefonar e como não tinha moedas para a cabine, dirigi-me a um bar e pedi se podia telefonar, tal como se faz cá. Era uma chamada inter-urbana e cairam um seis ou sete períodos no contador. Para surpresa minha, ao pedir quanto devia, a simpática da empregada disse que não era nada. Insisti e ela esclareceu-me, para minha surpresa, que não podia receber pela chamada porque "não tinha como o fazer (não tinha justificação legal, presumi)", pois o telefone era para uso do estabelecimento e como tinha pedido para telefonar ela fez-me o favor e o favor, claro, não tem custos.
Estou mesmo a ver cá: "- Ora, 30 centimos o periodo, são..."
De jogo da sueca a 14 de Julho de 2008 às 21:33
Olá Oliveira! Gostaste da estadia na Suécia? :)

Eu em primeiro lugar gostava de dizer que, obviamente, é um erro generalizar.

Em segundo lugar dizer que partilho da tua opinião: há muitas coisas que nós em Portugal achamos bens básicos para viver (almoçar no restaurante no período de trabalho, ir de carro para o trabalho, não vês jovens como aqui a acabar a faculdade e a enterrarem logo as suas economias na compra de um carro). Acho que os suecos são, de facto, muito pragmáticos no que toca a despesas. Para quê gastar, quando não é preciso?

Já agora, dá uma espreitadela a http://jogodasueca.blogs.sapo.pt/26169.html

Mas pronto, acredita que não há bela sem senão, e que vivenciei mesmo várias cenas de forretismo :)

mandar uma cartada